Debate Temático – Turismo

 •  0

By

Debate Temático – Turismo 

(Primeira Sessão )

Discurso do PAN

Mais uma vez boa tarde,

Começamos por saudar os proponentes do presente Debate Temático e todas/os as/os intervenientes, agradecendo os seus contributos

Numa cidade que assume hoje uma nova dinâmica, fruto sobretudo do boom turístico, um dos principais desafios para Lisboa é encontrar o caminho para compatibilizar questões como habitação, mobilidade, defesa do ambiente e acesso aos serviços com todos estes novos fluxos e pessoas, alcançando uma feliz convivência e relação.

Lisboa tem sido destacada em diversas publicações como um dos melhores destinos turísticos do Mundo e a nossa cidade tem recebido diversos prémios;

Diversos estudos, relatórios, artigos e estatísticas apontam os setores da restauração e do alojamento turístico como lideres na criação de emprego em Portugal, tendo em 2017 gerado 323,2 mil postos de trabalho, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o que corresponde a 120 novos postos de trabalho por dia 1 ;

Paralelamente, o turismo também tem sido apontado como o principal fator do aumento do preço das habitações e do custo de vida na cidade, existindo diversas críticas À forma como tem sido gerido o aumento de afluxo de turistas;

Reconhecemos que é positivo para o desenvolvimento da cidade, mas não pode ser deixado ao livre arbítrio do sector, sobretudo quando isso significa estar a afastar as pessoas da sua cidade.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas refere precisamente a necessidade do turismo ser sustentável, nomeadamente no seu Objetivo 8 (Trabalho digno e crescimento económico) – “Até 2030, elaborar e implementar políticas para promover o turismo sustentável, que cria emprego e promove a cultura e os produtos locais” e Objetivo 12 (Produção e Consumo Sustentáveis) – “Desenvolver e implementar ferramentas para monitorizar os impactos do desenvolvimento sustentável para o turismo sustentável, que gera empregos, promove a cultura e os produtos locais”;

2017 foi o Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento com o objetivo se mobilizar os diversos atores para o trabalho em conjunto, procurando paralelamente alertar os decisores para a relação entre turismo sustentável e desenvolvimento sustentável;

As decisões relacionadas com o turismo não podem desconsiderar a inclusão social, a pobreza; a preservação do património, a proteção ambiental, a diversidade do território, a segurança, a gestão dos recursos e dos resíduos, entre outros fatores.

A capacidade de carga turística é um Instrumento de medição destinado a avaliar o estado de fatores chave determinantes na capacidade de uma região suportar determinados níveis de turismo, relacionando diversos fatores e analisando a capacidade de carga física ( número de pessoas/preservação de padrões de qualidade), capacidade de carga ecológica (actividade turística/ preservação de ecossistemas) e capacidade de carga social (turistas e ponto de saturação/ residentes e tolerância ao turismo sem gerar tensões).

Destacamos por isso a Recomendação do PAN que foi aprovada nesta Assembleia precisamente para que seja realizado um estudo sobre a capacidade de carga turística, com o objetivo de dotar a cidade de um conjunto de indicadores que melhor permitam informar as decisões que têm de ser tomadas no nosso município.

Mas tal como o PAN tem vindo a defender, é essencial a Aplicação da taxa turística na qualidade de vida dos lisboetas (em melhores transportes e serviços como a recolha dos resíduos urbanos, na habitação, requalificação dos espaços verdes e não no próprio turismo); PAN também votou a favor da taxa turística;

Assim como pensar o Turismo aliado à sustentabilidade e pensada em conjunto com as medidas de mitigação e adaptação de Lisboa às alterações climáticas;

Defendemos que o impacto que o turismo tem na cidade de Lisboa deve acrescentar valor ao seu desenvolvimento, de forma sustentável e humana.

Pessoas – Animais – Natureza

(GM PAN)

Miguel Santos                                                          Inês de Sousa Real

 

 

Leave a Reply