Declaração de Voto PAN: Alterações Climáticas


Voto n.º 145/XIII/2.ª, apresentado pelo PSD, de Congratulação pelo sucesso nacional obtido no combate às alterações climáticas e pelas políticas de energia, ambiente e clima nos últimos anos e o Voto n.º 141/XIII/2.ª, apresentado pelo CDS-PP, de Congratulação pelo sucesso nacional no combate às alterações climáticas;

Congratulamos a iniciativa do CDS/PP e do PSD, vertida nestes votos de congratulação, ao reafirmar que as alterações climáticas são uma realidade e que os seus efeitos têm profundas alterações no tecido social e económico do país e do mundo. Concordamos também, em parte, que as políticas nacionais têm aportado um crescimento do investimento em energias renováveis e que Portugal é um exemplo positivo neste campo porém consideramos insuficientes, e poucos aprofundados, os dados que nos permitem congratular em pleno as políticas implementadas no nosso país em relação ao combate e à mitigação de alterações climáticas.

Em contraponto ao expresso pelos votos de ambos os partidos, e segundo dados do EuroStat, Portugal foi dos poucos países na União Europeia que aumentou a emissão de gases de efeito de estufa entre 1990 e 2014, em 8.8%, quando a média europeia se situa nos 20% de redução. E este cálculo não tem em linha de conta o sector da gestão de solos e florestas. É importante também frisar que este decréscimo das emissões foi também exponenciado pela crise económica que atingiu as economias mundiais, em 2008, não somente por políticas internas. Este factor fez diminuir o peso de vários sectores altamente poluentes como o da construção, com especial impacto em Portugal.

Deste modo alertamos para a necessidade de aprofundar as análises macroeconómicas para aferirmos com o maior grau de certeza os dados que partilhamos para a sociedade civil para que possamos em paralelo gerar um clima de esperança mas não de falsa segurança no caminho que ainda temos que percorrer de modo a não atingirmos a meta do Acordo de Paris do aumento de 2º Celsius até 2100.

Pelo Deputado

André Silva

Lisboa, 25 de Outubro de 2016