AçoresAmbienteRegionaisRegionais Açores 2020

Alterações Climáticas: PAN/Açores critica falta de actuação do Governo

Nos Açores, as emissões de gases com efeito estufa aumentaram 62% entre 1990 e 2014.

O PAN/Açores esteve hoje na delegação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) em Ponta Delgada, numa reunião de trabalho no âmbito das eleições legislativas regionais e das propostas do partido Pessoas-Animais-Natureza para a resposta à Crise Climática, a promoção da sustentabilidade ecológica e a urgente Reconversão Económica do arquipélago.

O Porta-Voz do PAN Açores, Pedro Neves, e o Porta-Voz Nacional, André Silva, foram recebidos por Carlos Ramalho, dirigente da Delegação Regional dos Açores do IPMA, que apresentou o trabalho desenvolvido pelo instituto, nomeadamente no âmbito da investigação climática. Segundo estudos do próprio IPMA, as alterações climáticas são já visíveis no arquipélago dos Açores. Exemplo disso mesmo são o maior número de meses com menos pluviosidade os ciclos de seca maiores, assim como os fenómenos meteorológicos extremos associados a ciclones mais intensos.

Nos Açores, as emissões de gases com efeito estufa aumentaram 62% entre 1990 e 2014. Durante a mesma janela temporal, a pecuária aumentou 74%, verificando-se a correlação e proporcionalidade evidente que, quanto maior a exploração pecuária de bovinos, mais emissões haverá, logo, maior o contributo do arquipélago para o nocivo aquecimento global. Neste momento a agropecuária na Região emite 41% de gases com efeito de estufa.

“Vivemos o culto da vaca muito por força do governo do Partido Socialista, com o apoio do PSD, e temos de aqui também, neste pilar da economia, fazer uma redução de efetivos de bovinos para atingirmos uma neutralidade carbónica”, afirmou André Silva.O PAN/Açores criticou a falta de actuação e a estratégia errada do Governo do PS na insistência em investir unicamente na pecuária, sem a promoção de uma diversificação agrícola, deixando a Região com uma economia débil, volátil e altamente contribuidora para a crise climática.

“O Programa Regional para as Alterações Climáticas [PRAC] que o Governo Regional desenvolveu é vago, fraco e não corresponde às necessidades dos Açores, apontando como estratégia, paradoxalmente, o reforço do efectivo de bovinos, quando o que é necessário é precisamente o contrário”, acrescenta Pedro Neves.

O PAN/Açores considera que para atingir a neutralidade carbónica são necessárias políticas ambiciosas e uma grande transformação em todos os sectores socioeconómicos da Região Autónoma dos Açores.  Pela urgência desta alteração de paradigma, o partido propõe a criação de uma Secretaria Regional do Ambiente e Alterações Climáticas como organismo fundamental do Governo Regional.